Análises realizadas em Caetité - 2020

 

O resultado das análises nas amostras de águas subterrâneas coletadas em 2020, dentro do Programa de Monitoramento da INB em Caetité/BA, mostrou que a concentração de urânio encontrada nos poços no entorno da Unidade de Concentração de Urânio - URA ficou abaixo do valor máximo permitido para o consumo humano pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), que é de 0,015 mg por litro.

O resultado das análises é enviado para a Comissão Nacional de Energia Nuclear – CNEN e ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama. No gráfico abaixo, estão demonstradas as médias de concentração de urânio registradas em 2020 em cada um dos poços.

 

 

Além dos poços que podem sofrer algum impacto das atividades da Unidade, a INB monitora alguns fora de sua área de influência com o objetivo de observar padrões específicos da região e ter parâmetros de comparação. E, reforçando as evidências de que existe a presença natural de urânio nas águas da região, nas análises de 2020, cinco poços localizados à montante (“rio acima”) ou em outra sub-bacia, diferente daquela da INB/URA, ficaram acima do limite CONAMA. São eles: Quessengue, Coroneira, Lagoa da Pedra, Buracão e Gameleira. 

Em Quessengue, a concentração ficou em 0,016 mg/L; Buracão - 0,032 mg/L; Coroneira - 0,022 mg/L; Gameleira (PC173 - 0,015 mg/L); Lagoa da Pedra - 0,019 mg/L. 
Essas concentrações maiores são decorrentes, sobretudo, da interação dos minerais presentes nas rochas do subsolo com a água subterrânea.

Foram também analisadas águas de superfície (pequenos açudes e córregos que possuem água no período chuvoso) e amostras de água de chuva. Em todas elas, as concentrações médias de urânio também permaneceram abaixo dos limites permitidos.