História

Fundada em 1988, a Indústrias Nucleares do Brasil – S.A (INB) incorporou as empresas que faziam parte da Nuclebrás, criada para cumprir o Acordo Nuclear Brasil - Alemanha. Com o objetivo de concentrar todo o ciclo de produção do combustível nuclear – desde a mineração até a montagem e entrega do elemento combustível -, a INB foi idealizada para impulsionar a produção da energia nuclear no país.

Um dos marcos na produção de energia nuclear no Brasil foi o desenvolvimento da tecnologia de ultracentrifugação no final da década de 1970. O projeto foi realizado pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP) em parceria com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN / CNEN). Desde então, o país faz parte do seleto grupo de doze países que dominam esta tecnologia. Em 1982, ocorre a primeira experiência de enriquecimento de urânio com ultracentrífugas construídas com tecnologia desenvolvida no Brasil.

Em 1999, a mina de Caetité, na Bahia, começa a funcionar. A fábrica de elementos combustíveis inaugurada em 1982, em Resende, amplia-se e passa a se chamar Fábrica do Combustível Nuclear (FCN), a partir de 1996. É nesta indústria que são fabricados os combustíveis nucleares que abastecem as usinas de Angra 1 e Angra 2. No mesmo ano tem início a implantação do processo de reconversão e das linhas de produção de pó e de pastilhas de urânio, que entram em operação em 1999 e 2000, respectivamente.

Em 2006, começa a operar, em Resende, o primeiro módulo da cascata de centrífugas para enriquecimento de urânio em escala industrial. A inauguração destes equipamentos foi outro importante marco na produção de energia nuclear no Brasil.

Só quatro países possuem reservas de urânio e tecnologia de enriquecimento. São eles: Estados Unidos, Rússia, China e Brasil.

Linha do tempo

1974 – Criação da Nuclebrás.

1981 – Início da construção de Angra 2.

1982 – Implantação da Fábrica de Elemento Combustível.

1982 - Primeira experiência de enriquecimento de urânio com ultracentrífugas construídas com tecnologia desenvolvida no Brasil.

1985 - Início da operação comercial de Angra 1.

1988 – Fundação da INB.

1990 – INB entrega a 2° recarga para Angra 1

1992 – USAM e USIN encerram atividades em São Paulo

1999 – Entrada em operação da linha de produção de pastilhas e modernização da Fábrica de Elemento Combustível.

1999 – Início das operações da mina de Caetité (BA).

2006 – Inauguração da 1° cascata de ultracentrífugas nucleares.

2015 – Urânio enriquecido pela INB entra na produção de combustível nuclear para Angra 1.