Diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica e Ministro de Minas e Energia visitam INB

A Indústrias Nucleares do Brasil (INB) recebeu nesta sexta-feira, dia 16/07, o diretor- geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Mariano Grossi, e o ministro de Minas e Energia (MME), Almirante Bento Alburquerque, na Fábrica de Combustível Nuclear, em Resende/RJ. Grossi veio ao Brasil comemorar os 30 anos da Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (Abacc) e conhecer diversas instituições ligadas ao setor nuclear no País.

Os convidados foram recepcionados pelo presidente da INB, Carlos Freire, e pela diretoria da empresa e estiveram na Usina de Enriquecimento de Urânio. Durante o encontro, foi explicado como a empresa atua em todo o ciclo do combustível nuclear e as etapas de implantação das cascatas de enriquecimento de urânio. Para registrar essa data importante para a INB, foi confeccionada uma placa que foi descerrada pelo diretor-geral e o ministro.   

Para Grossi, a visita na INB, embora tenha sido breve, foi essencial pela relevância histórica da empresa no plano internacional para o setor nuclear. “Nessa minha primeira visita à America Latina toda, eu tinha que passar na INB, que tem essa fase de enriquecimento de urânio que é muito importante, e que tem uma visão clara, sólida e previsível das necessidades do Plano Nacional de Energia. Uma visita curta, mas extraordinária”, destacou o diretor, que ressaltou ainda a necessidade de acompanhar o desenvolvimento da indústria brasileira com espírito de cooperação e parceria.   

Ao lembrar que o Brasil é um país membro e fundador da Agência, o ministro Bento Albuquerque afirmou que o órgão tem sido muito importante para o desenvolvimento do Programa Nuclear Brasileiro. “A visita do diretor-geral, o nosso embaixador Rafael Grossi, apenas demonstra essa relação de cooperação cada vez mais intensa entre o Brasil, o Programa Nuclear Brasileiro e a AIEA”, enfatizou o ministro.   

Durante o evento, o presidente da INB destacou que o papel da Agência é fundamental para a empresa. “Ter o Brasil como um dos seus países membros dá transparência para o trabalho da INB e segurança aos nossos stakeholders de que as atividades são desenvolvidas de forma segura, seguindo os padrões internacionais”, disse Freire, que reforçou o compromisso da empresa em manter um relacionamento harmonioso com seus órgãos fiscalizadores.   

Também nesta sexta-feira, o diretor geral da AIEA e o ministro de Minas e Energia estiveram em outras instituições ligadas ao Programa Nuclear Brasileiro como a Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto da Eletronuclear, em Angra dos Reis, e a Base Naval de Itaguaí.     

Grossi chegou ao Brasil na quarta-feira, dia 14/07, e fica até a próxima quarta-feira, dia 21/07.   

PERFIL- Rafael Mariano Grossi é diplomata argentino e assumiu o cargo de diretor- geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em 3 de dezembro de 2019, sendo o primeiro latino-americano a chefiar a organização. Também foi diretor-geral adjunto de políticas e chefe de gabinete da AIEA.   

FISCALIZAÇÃO - A atividade de enriquecimento de urânio no Brasil é fiscalizada por três instituições: Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e Agência Brasil – Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC).   

A AIEA como órgão fiscalizador dá a garantia de que o urânio enriquecido no País é utilizado apenas para fins pacíficos, conforme determinado na Constituição Federal.   

O enriquecimento de urânio é uma das etapas do ciclo do combustível nuclear – nome que se dá ao conjunto de processos industriais que transformam o minério urânio no combustível que gera energia nos reatores nucleares. Saiba mais sobre cada uma das etapas em: https://www.inb.gov.br/Nossas-Atividades/Ciclo-do-combustivel-nuclear


 

 

 

 

COMPARTILHE NAS MÍDIAS SOCIAIS: